não precisamos de deus ou ode a morte

5-coisas-assustadoras-que-acontecem-com-um-corpo-após-a-morte-650x375.jpeg

A vida é uma fagulha insignificante no universo. Somos pequenos milagres que, por uma conveniência, nos auto afirmamos como racionais. Menos em situações extremas. Em situações extremas, como a morte, procuramos desculpas e nos agarramos ao metafísico como solução. Como esperança. Continue lendo “não precisamos de deus ou ode a morte”

Anúncios

deus com d minúsculo

Pastafarianismo

Eu sempre escrevo deus com d minúsculo por um motivo muito prático. Deus com D maiúsculo é nome próprio e faz referência, geralmente, ao deus da mitologia cristã. Já, se escrevo deus com d minúsculo, posso estar me referindo a qualquer deus. De qualquer crença ou credo. Pode ser um que exista ou que não exista. Continue lendo “deus com d minúsculo”

Auto-imune

c5f6e799-bf87-47e1-8323-f0aa673e432f

Crescer é um desafio plural. Plural no que diz respeito a todos os diferentes tipos de monstros que você precisa enfrentar. É como se você comesse um cachorro no café da manhã e esse cachorro lhe comesse por dentro durante o sono da noite. Sempre acordamos com fome. Um dia, aos 7 anos, a criança quase morreu. Continue lendo “Auto-imune”

Mas, a gravidade sempre vence

1995---apesar-do-sucesso-de-creep-foi-fake-plastic-trees-com-o-video-emblematico-que-mostra-thom-dentro-de-um-carrinho-de-supermercado-foi-um-marco-na-carreira-da-banda-alguns-criticos-definem-1361494038939_956x500

Vem lentamente. Desenhado na velocidade geológica da água que percorre pelas rochas. Moldando o relevo. Relevando a superfície. O superficial. Surgindo em tempo moroso. Na seguridade da certeza que os momentos constroem. Afinal, tudo que o Longo Tempo molda, permanece de alguma forma em sua forma primitiva. Nasce amor, morre amor e ainda vive. O infinito é realmente um dos deuses mais lindos.  Continue lendo “Mas, a gravidade sempre vence”

Crônica de um romance perfeito e eterno que acabou de acabar como qualquer outro acabaria, ou não

michaelcera

– Éramos tão bons quando éramos bons.

Era o que ele vinha pensando a caminho de casa em pé no ônibus, apesar de haver vários assentos disponíveis, em uma noite chuvosa. As janelas estavam embaçadas. Todos baforavam lá dentro. Cada um por um motivo. O que faz cada um suspirar varia tanto que poderíamos chamar de vento. Você sabe de onde vem, mas nunca para onde vai. Às vezes nem se sabe de onde vem… Continue lendo “Crônica de um romance perfeito e eterno que acabou de acabar como qualquer outro acabaria, ou não”